6 de novembro de 2010

A cruel indústria da venda de animais.

COMPRAR OU ADOTAR UM ANIMAL?
                                             Por Lilian Rockenbach
Assista abaixo do artigo o documentário da BBC
"Os Segredos do Pedigree"

Em primeiro lugar animais são seres que existem por suas próprias razões, são criaturas de Deus e não existem para nos servir. 

Se entendermos que animais não são mercadorias, mas seres capazes de ter sentimentos, que têm necessidades de amar e de serem amados, que sofrem por dor, por fome, por frio, por abandono e por solidão, exatamente como nós, humanos, inteligentes, evoluídos, no topo da cadeia alimentar, passaremos a enxergá-los como VIDA e concordaremos que não há sentido em se comprar animais.

Nós não compramos um amigo humano, porque deveríamos comprar um animal?

O CONCEITO DE VIDA DEVE SER RESPEITADO.

Inicialmente precisamos aceitar que há uma cruel tradição humana de encarar que animais são coisas, são produtos, são fonte de renda, de lucro, de prazer, de diversão, etc.. Quando enxergamos animais desta forma somos capazes e comprá-los, presentear pessoas com eles e usá-los como forma de auto afirmação social, “coisificando-os” e os transformando em objetos de prazer, totalmente descartáveis quando não nos são mais úteis.

TUDO O QUE COMPRAMOS TEM UMA FINALIDADE, E QUANDO AQUILO NÃO TEM MAIS UTILIDADE, SIMPLESMENTE ENCOSTAMOS OU NOS DESFAZEMOS.

Assim é também com os animais, quando os encaramos como coisas. Bonitinhos quando filhotes, meio sem graça quando adultos, e descartados quando velhos e doentes. 

Nosso grande, e talvez maior desafio, é nos convencermos e convencer nosso semelhante a respeitá-los como vida, como criaturas de Deus, como seres que merecem respeito.

Muitos dos animais comprados por impulso quando filhotes são descartados quando adultos ou idosos, indo parar muitas vezes nos CCZs (Carrocinhas), ou são recolhidos por protetores de animais que têm a difícil tarefa de reabilitá-los, castrar e doar.

Existe também, e nesse caso a mais cruel realidade, o fato de como esses filhotes “entram” no mercado. A maior parte deles são frutos de “criadores de fundo de quintal”, pessoas que realmente os vêem apenas como fonte de renda e deixam de trabalhar para se sustentar da exploração destes inocentes. 

Além disso, como freqüentemente é feito cruzamento entre parentes, muitos animais nascem com problemas de formação e de saúde, estes também são abandonados, por não possuírem valor comercial. Outros são vendidos aparentemente sadios e desenvolvem doenças quando adultos. A consanguinidade provoca diversas doenças nos animais, inclusive câncer.
Muitas vezes as “matrizes” (machos ou fêmeas) como são chamados os animais colocados para procriar indiscriminadamente (o que evidencia de que se trata de um 'negócio'), são mantidas confinadas em gaiolas, por toda a vida, muitos desenvolvem transtornos comportamentais irreversíveis, nunca recebem carinho e quando envelhecem, adoecem ou desenvolvem qualquer doença (algumas decorrentes pelas constantes crias) são abandonados nas ruas, à própria sorte, para morrer à míngua. Isso quando não são sacrificadas. 

Entenda: são produtos, fonte de renda e quando não podem mais proporcionar lucro, precisam ser descartados e substituídos.

Nós fazemos isso com tudo o que não nos é mais útil: celular, batedeira, computador etc..
O objetivo do criador é o lucro, e para obter isso ele deve otimizar a criação, minimizando os gastos e otimizando os lucros, mantendo as “matrizes” que dão lucros, descartando as que dão prejuízo, substituindo por novas sempre que necessário. Tal qual numa linha de produção de uma empresa qualquer.

O comprador de animais em feiras ou Pet shops não tem consciência disso, muitas vezes sequer imagina. Para ele quem vende animais o faz porque os ama... Assim como desconhece a quantidade imensa de animais que aguardam adoção nos Centro de Controle de Zoonoses das prefeituras, abrigos de animais abandonados mantidos por ONGs e protetores de animais independentes. 

Quando você compra um animal, você financia a crueldade a que eles são submetidos, você contribui para que muitos sejam abandonados quando não tiverem mais utilidade, e ajuda a sustentar um comercio cruel e criminoso que explora seres inocentes que não podem se defender de nós, humanos.

Existe uma verdadeira Indústria de filhotes, que lucra mediante o sofrimento dos animais.
O Movimento de Proteção Animal em todo o país recebe um número cada vez maior de denúncias contra criadores. 

Existem alguns criadores sérios sim, mas há muitos criadores luxuosos e que vendem animais por uma fortuna, que também escondem crueldade e abuso por trás de fotos que anunciam a venda de lindos animais.

Se você quer um animal para ser sua companhia, seu amigo, mas necessita de um cão que se adeque ao espaço em que vive, lembre-se que existem milhares de animais disponíveis para adoção, animais de todos os portes, pelagem e cor. Todos capazes de lhe proporcionar carinho, amor, alegria, companhia e amizade, tal qual qualquer “cão de raça”. 

Se você, de alguma forma se convenceu da crueldade existente por traz da venda de animais e decidiu adotar ao invés de comprar, proporcionando uma nova vida a um animal que já existe e não alimentar à cruel indústria dos filhotes, passe essa idéia adiante.

Lembre-se que existem muitos animais abandonados que possivelmente nunca encontrarão um lar, a melhor forma de coibir isso é evitando a procriação, orientando aos seus amigos que castrem seus animais. 

Adotar um animal sem raça e sem beleza externa só mostra o valor e a beleza de quem adota, e a certeza de ter realmente salvado uma vida lhe trará uma satisfação pessoal impagável. 

Alie-se e divulgue as seguintes idéias: 

  • Animais são vidas e não produtos.
  • Faça o criador, que se sustenta de explorar os inocentes animais, trabalhar.
  • Amigo não se compra, se adota. 
  • AMIGO NÃO SE ESCOLHE POR RAÇA.

Sugestão de leitura:

COMÉRCIO DE ANIMAIS DOMÉSTICOS, por ULA (União Libertária Animal)

VOCÊ FAZ QUESTÃO DE UM CÃO DE RAÇA? PENSE DUAS VEZES... por Sérgio Greif 


Documentário sa BBC "OS SEGREDOS DO PEDIGREE"













5 comentários:

geek_syndrome disse...

Simplesmente amei esse blog! Eu precisava de verdade falar isso!

Vigilantes da Vida disse...

Recebi há algum tempo, não sei quem é o autor do texto. Mas ele é muito verdadeiro! Publiquei nos nossos blogs e divulguei.
NÃO COMPRE ANIMAIS DE RAÇA, ADOTE UM SRD DE RAÇA!
Parabéns pelo blog, Lilian!
Bjs,
Iridê

O QUE SÃO ANIMAIS “DE RAÇA”??
São aqueles que vivem nas ruas, lutando pra sobreviver, buscando algo prá se alimentar debaixo de sol ou de chuva, prá não morrerem de fome. Tentando se esquivar e escapar de atos de crueldade por parte de seres conhecidos como “humanos”. Muitas vezes, em virtude do sofrimento que passam, tornam-se inacessíveis até mesmo para quem quer ajudá-los. Quando acessíveis, apesar de todo o sofrimento, ainda conseguem abanar o rabo ou fazer um ronron em agradecimento para quem os retira das ruas.
Estes sim, são animais “de raça“!

JEAN disse...

Uma vez conversando com um criador, ele disse-me que tudo tem seu preço; Só que, neste caso, o preço mais alto quem paga são os animais!

Mariza disse...

Gostei muito do Blog, perfeito e completo, contem comigo para a divulgação.

Fernando_BRA disse...

Mas que campanha radicalista e ilusória... raça pura ou não definida não significa que um é menos que o outro, significa influência a manutenção de raças que não seriam garantidas no meio da cachorrada domesticada caso não houvesse interferência do homem.

Em outras palavras essas raças puras não são mantidas puras pela natureza. São mantidas por PESSOAS cujo trabalho DEVERIA SER: dar um bom tratamento aos animais, administrar métodos, procedimentos e realizar muito, muito trabalho pra manter o trabalho sempre de acordo com o bem viver dos animais e com as normas estabelecidas para a pureza das raças. São PESSOAS que mantém canis e criadouros ao redor do planeta. E PESSOAS precisam de comida na mesa. Para manter criações de raças puras, existem CUSTOS.

O problema é que alguns criadores maudosos, são responsáveis pela propagação dessa imagem difamatória generalizada publicada em declarações como as desse blog.

Se houvesse entidades sem fins lucrativos responsáveis por manter raças puras, ótimo, mas enquanto isso não acontece, o foco deveria ser no controle populacional de animais no meio urbano.
Mas isso dá muito trabalho...então é mais fácil escrever uma visão 100% parcial passando uma informação preconceituosa de que generalizadamente, Criadores profissionais e particulares(sim, quem "compra" um animal, não o possui, mas sim, O CRIA e o EDUCA,tal como um filho).
Quem criou a campanha provavelmente trabalha em um abrigo de cães superlotado, ou porque trabalha recolhendo animais na rua, ou alguma atividade semelhante e vê de perto o sofrimento dos animais e o a falta de procura pelos animais a adoção. Só pode ser isso. Uma pessoa que trabalha com isso deve estar tão desgastada com as situações que vive e simplesmente não tem mais energia pra pensar em algo mais eficiente ao invés de exigir uma açào radical de criadores.