21 de fevereiro de 2011

A responsabilidade de ser Protetor de Animais



Ultimamente é frequente o número de pessoas envolvidas com a causa animal que desistem , e divulgam isso como se os outros tivessem a obrigação de recolher os seus animais e resolver o problema criado por eles. Não bastasse isso, ainda temos outro número crescente de protetores que morrem e deixam 70, 100, 200 animais totalmente à míngua e entregues à própria sorte. Às vezes quando tomamos conhecimento do caso alguns destes animais já morreram por inanição, por brigas, doenças e frequentemente nestes casos encontramos o canibalismo. E quem tem condições de absorver estes animais se estamos todos superlotados e com dívidas em clínicas e lojas de rações?

Eu sempre digo a todos que o limite entre sanidade mental e desequilíbrio, na proteção animal, é muito tênue. Realmente não é fácil lidar com o pior ser humano que existe, um ser capaz de maltratar e cometer as maiores atrocidades com outro totalmente indefeso, ou pior, quando esse ser indefeso pertence a esse humano, e vive somente por ele e para ele. Recolhemos das ruas animais em situações tão deploráveis que algumas vezes tendemos a nos revoltar com “todos” os seres humanos, porém esse é o primeiro passo para o desequilíbrio mental, que pode colocar em risco nossa vida, a vida de nossos familiares e a vida de nossos resgatados. 

Quando um protetor começa a dizer que “gosta mais de bicho do que de gente”, para humanos, geralmente ele é encarado pelos que não o conhecem e não tem conhecimento de sua luta como louco, e as pessoas em geral passam a se afastar dele. Entre nós, protetores, isso é compreensível por compartilharmos das mesmas vivências, porém quem dá esse primeiro passo geralmente dará o segundo que é atacar verbalmente a todos ao seu redor, às vezes ataca aos familiares, aos amigos e até os outros protetores que estão ao seu lado na militância, também salvando vidas.

O terceiro passo normalmente é o isolamento, a pessoa passa a querer somente a companhia dos animais, isola-se do mundo. Muitas vezes quando chega a este estágio já está fazendo tratamento contra depressão ou bipolaridade, já se afastou dos familiares, dos amigos, da família, perdeu o emprego, passou a perder a vaidade e, algumas vezes, não diferencia a sua vida da vida de seus animais. Então passa a recolher animais das ruas indiscriminadamente, como se quisesse, ou se pudesse, resolver a problemática dos animais sozinha. Neste ponto o único relacionamento que tem com outras pessoas é para pedir ajuda financeira, que dificilmente vem de acordo com o necessário, o que resulta em dezenas de animais na casa do protetor... Ambos, animais e humanos, passando necessidades. 

Quantos de nós não conhecemos esta história: Protetor sem amigos, sem familiares, sem emprego, sem dinheiro, com ordem de despejo e com dezenas de animais.

Já está cada vez mais difícil doar animais, principalmente pelo fato dele não confiar em nenhum humano, e se torna cada dia mais perigoso que este protetor se transforme num colecionador

Não existe uma fórmula para evitar que isso aconteça, todos nós estamos sujeitos a isso, mas penso que uma base familiar e amigos sinceros são de extrema necessidade para nos mantermos equilibrados. No meu caso particularmente, que já estive à beira de chegar a este estágio, que abandonei meu emprego, que recolhia animais indiscriminadamente sem pensar nas contas, que cheguei a dever em clínicas veterinárias cerca de duas ou três vezes o salário que recebo hoje, que pensei em me separar do meu marido porque ele tentava de alguma forma brecar meu impulso por recolher animais, que não pensava que minha filha, de dois anos na época, precisava de mim, que me afastei dos meus amigos, etc.. 


 O que me ajudou foi exatamente a família... Ouvir aos que me amam, com a mente aberta para poder absorver tudo aquilo, olhar ao redor e entender que não sou capaz de mudar o mundo, nem de salvar a todos os animais, entender que para proteger animais necessito estar equilibrada para não proporcionar a eles uma situação, às vezes, pior do que a que eles se encontravam antes de serem resgatados, perceber que os protetores de animais desequilibrados  e agressivos não são levados a sério, não podem levantar uma bandeira e nunca atingirão os seus objetivos na sociedade por não possuírem o potencial de credibilidade necessário para defender a causa, aprender resgatar animais de acordo com a minha capacidade financeira de lhes proporcionar tudo o que for necessário para seu tratamento enquanto estiver sob minha guarda, com a consciência de que ninguém tem a obrigação de me ajudar, e principalmente, pensar no amanhã.


Se amanhã eu não estiver mais neste mundo o que será de meus animais? Será que meu marido merece se transformar em protetor de animais de forma obrigatória? Será que ele terá condições de cuidar da casa, dos filhos e dos animais sozinho? Será que ele quer isso? Será que ele merece?... Ele não é protetor de animais, eu quem sou.

E seu eu morasse sozinha com 50 animais e morresse, o que seria deles?

Se você ama animais pense nisso, lembre-se que nenhum de nós tem garantia de vida neste planeta, pense que os animais sob sua guarda não podem se defender, e são totalmente dependentes de você. Lembre-se que a morte faz parte da vida e preocupe-se com o que será deles amanhã se você morrer hoje.

E pra você que decidiu deixar a causa animal porque tudo o que descrevi acima aconteceu com você, lembre-se que ninguém tem a obrigação de assumir o seu compromisso ou de resolver os seus problemas. Saia da causa de cabeça erguida, e doe antes todos os animais que estão sob sua guarda, assuma a responsabilidade pelo que fez, se você resgatou cabe a você doar... Essa obrigação é sua, de mais ninguém.

20 comentários:

Tamires disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tamires disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tamires disse...

- Fico muito feliz em encontrar pessoas que tem pensamentos semelhantes ao meu. Sabe, fui criada aprendendo a amar os animais, todos os animais! Me pergunto muito se hoje sou assim por causa da maneira que fui criada, ou se era pra eu ser assim mesmo. Enfim, já passei por diversas situações por ter esse jeito de gostar, defender, e não aceitar certas coisas tipo, mal tratos, abandono.. Muitas pessoas que não me conhecem direito até me jugam, talvez prq eu sou vaidosa, adoro sair com meus amigos, tenho minha vida tbm! Mas quem me conhece direito sabe o quanto eu sofro com as crueldades que vem sendo feito com os animais. Já me desesperei, chorei, até briguei por causa de situações que já vi, e muitas vezes por não puder ajudar! Mas essas atitudes não são boas até mesmo para os bichinhos que eu crio. Bom, tenho 11 gatinhos, todos resgatados das mais piores situações! inclusive uma está comigo a 15 anos e é meu orgulho! tenho três cachorros, sendo dois adotados, e meu sonho é ter uma ong de proteção aos animais! Mas sei que para isso tenho que ter responsabilidade, e dinheiro pras despezas. Fico muito, muito feliz de ver pessoas como você! Que Deus te abençoe muito e te ajude cada vez mais a fazer o bem.. a aqueles que não podem falar.

Joelma disse...

A cada post seu eu fico mais sua fã, hj sou uma dona muito melhor pros meus cães (tenho 2 adotados)graças a tudo que vc escreve, vc é um exemplo pra mim. Tenho consciência de que não posso fazer muito, meu espaço é pequeno, meu dinheiro curto, mas sempre converso com meus amigos que têm cães e gatos sobre tudo que eu leio, essa é minha maneira de ajudar, vou fazendo como posso, sempre consciente, sempre pensando em como posso ajudar mais. Muito obrigada, desejo de coração que vc alcance todos seus objetivos. Toda boa sorte do mundo pra vc.

Lilian Rockenbach disse...

Nossa Joelma, muito obrigada pelo elogio. Quanto mais pessoas conseguirmos conscientizar de que animal é vida e não objeto, melhor. Esse é o nosso trabalho, e vc está inserida em "nosso". Olhar para um animal e enxergar uma criatura de Deus é para poucos. Parabéns e bem vinda ao grupo de protetores de animais.

Lilian Rockenbach disse...

Tamires, só tenho a agradecer. O trabalho que fazemos, mesmo que pequeno para nós diante da necessidade, é a diferença entre a vida e a morte dos animais que resgatamos. o que vale é ajudar, de qualquer forma, pois lutamos pela vida.

Margarida Helena disse...

Só tem verdades nesse texto, e é bom nos conscientizarmos disso. Também tive uma fase de resgatar tudo o que via na frente. Depois veio a sensação de impotência, pois há milhares que ainda precisam de ajuda!Hoje penso muito se realmente estarei ajudando aquele animal ao tirá-lo de onde está.Muitas vezes saiu para dar uma volta e acaba num canil .Muitas vezes ele prefere a vidinha livre que tem.Sei de locais onde os animais ficam confinados, passam fome, sede, e tomam água esporádicamente.E morrem em brigas.e quem os colocou lá estava com pena!Pedem ajuda e quando não conseguem reclamam que os animais passam fome porque ninguém ajudou!! é bem o que voce falou, Parabéns pelas verdades!

Margarida Helena disse...

Lilian, não sou contra resgatar , cuidar e doar, acho louvável este trabalho, mas tudo com bom senso. Agora, se voce vê um animal na rua e não pode resgatar, por que não comprar uma comidinha para ele e dar água? se cada simpatizante que passar por ele fizer isto, ele não morrerá de fome e sede. AGora, se passo por um doente e tenho como resgatar, não perco esta oportunidade.Mas, se vejo dois ou tres doentes na mesma época, percebo que não estarei ajudano com o resgate porque não tenho esta possibilidade, ou seja, o resgate será de má qualidade .Como voce diz , me transformarei num colecionador de má qualidade.Então rezo procurando lançar boa energia, porque eles captam toda nossa energia, tento não me entristecer e vou embora com a consciência de que não posso salvar o mundo. Já aconteceu de pessoas não protetoras me dizerem que adotaram um cachorro da rua muito debilitado porque lembraram-se de mim, e que ele está bonito e saudável agora. Também já fui criticada e elogiada por parar para ajudar um cão. Não faço isso para ganhar aplausos, apenas quero que a vida dos animais melhore. Devagar a consciencia das pessoas vai mudando.Não sei se saí fora do assunto, mas seu texto abre caminho para várias observações e acho útil para pessoas e animais.

Help disse...

Não sou protetora.Apenas tenho compaixão pelo animais em sofrimento e abandono.Todos os dias quando saio para trabalhar peço a Deus que não coloque nada em meu caminho que eu não possa ajudar,e tem dado certo.Tem uma frase que muito chatea em ouvir......você não tem um cantinho,um banheirinho....para coloca-lo...coitado.
Tento manter os pés nos dois universos humanos e dos animais. O seu texto é bem oportuno.

kika disse...

nunca vi um texto tão perfeito sobre o assunto, é exatamente o que eu penso e bem parecido com o que vivi.
Temos que nos amar e nos cuidar para poder cuidar de qq outro ser vivo, temos que pensar no amanhã porque depois não somos nós apenas que sofremos mas os animais tão amados acabam sofrendo muito mais.
Quando parei de resgatar porque já estava doente, endividada e com a família quase destruída sei que fui muito criticada por quem ainda não estava nessa situação mas NUNCA LARGUEI A RESPONSABILIDADE DOS QUE ESTAVAM SOB MINHA GUARDA, implorei ajuda aos amigos e até empréstimos peguei mas eles nunca ficaram sem ração, medicamentos, tratamentos e hospedagens pagas.
É melhor ter 4, 5 OU 10 que se tenha condições de cuidar e tratar com dignidade do que 50, 60 ou 100 que possam vir a passar necessidades e sofrimentos.

Debora disse...

Nossa.. vc descreveu tudo. Realmente, não é fácil. É muito difícil passar por esta barreira. Obrigada pelo texto.

Andréa... disse...

O mais difícil entre tudo isso, é separar a razão da emoção, concordo que temos que ter bom senso e impor alguns limites, mas entendo perfeitamente a atitude de quem age por impulso, movido por amor e compaixão, que muitas vezes nos impede de pensar friamente nas consequencias, visando somente a salvação de "mais uma vidinha", virar para o lado e fingir que nada está acontecendo exige um equilíbrio e uma capacidade que eu ainda não experimentei... Muito bom o texto, temos que tentar conciliar a ajuda aos necessitados com a nossa situação financeira e psicológica e com a qualidade de vida dos animais que já estão sob a nossa responsabilidade, isso é fundamental!!!

Renata disse...

Maravilhoso artigo... Sei q é desesperador ver animais precisando de nossa ajuda e ñ podendo ajudar á todos,mesmo fazendo algumas loucuras de resgatar sem ter onde deixar estes animais,procurei envolver o minimo possivel as outras pessoas,nem financeiramente, já limpei terreno baldio em troca de deixar um dos animais até q conseguisse um dono,fui pro meio de bairros perigosissimos atrás de animais q resgatei,mas sempre tive a consciência (chorando muito é claro),q eu não teria condições de resgatar mais,nem finaceiramente e muito menos espaço fisico... tenho o sonho de um dia morar em uma casa maior onde eu possa construir uns 5 canis,e só entrar mais animais,após a adoção de um deles (a não ser em casos muito extremos)... sei q é muuuito pouco,mas é o q eu conseguiria arcar sem ter q depender de ninguém,Deus sempre foi tão bom comigo,pq qdo via um animal precisando de ajuda e eu não poderia resgatar pq já estava arcando com 1 animal,sempre conseguia adoção para ele e assim conseguia resgatar o outro... Infelizmente,temos q ter esta consciência... pq senão td se transforma em depósitos de animais, trazendo sofrimento para eles,para nós mesmos e nossa familia... Hj enxergo melhor td o q escreveu... Bjos

Fernanda Lobo disse...

Acabei de ler este texto me foi enviado pelo Grupo Fauna, da cidade de Ponta Grossa-PR, e me emocionei muito, muitas vezes quis fazer isto, pegar todos os animais que via pela rua, mas um eu peguei, é meu amor, e quando peguei o segundo morando em um apartamento pequeno, ví que não conseguiria dar conta e foi muito dificil doar, mas de qualquer forma consegui um lar pra ela, hj tenho mais consciencia, choro , fico triste mas sei que não posso cuidar, fiquei só com o scott, que retirei da rua quando ainda era filhotinho.....Passei a admirar você, e vou seguir seu blog, e encaminharei seu texto para pessoas que vivem essa realidade,parabéns!

14 de março de 2011 15:58

Canil solidário kidaora blog disse...

Excelente dissertação sobre o tema A responsabilidade de ser Protetor de Animais -
Eu até fiz a oração da cachorreira - leia : http://www.lojadanice.xpg.com.br

Cintia disse...

É um prazer muito grande pra mim encontrar alguém que pensa como eu...amo muito mais aos animais do que as pessoas,porque um animal é puro,sinsero ao extremo e jamais,jamais será capaz de maltratar seu semelhante apenas pela maldade que existe ne seu íntimo.
É para mim impossível e cada vez mais a cada dia que passa, olhar para um animalzinho seja de que espécie ou raça for e não sentir por ele no mínimo RESPEITO.
Sou evangélica e vejo cada animal como criação do mesmo Deus que criou tudo,o que meus olhos conseguem enxergar,e tenho como sendo DE MINHA RESPONSABILIDADE E DE TODOS OS SERES DITOS HUMANOS A PROTEÇÃO E O AMPARO à todos os animais do mundo,já que eles não podem cuidar de si nem de seus filhotes sozinhos.Tal e qual os filhos precisam dos pais e estes existem com a finalidade de lhes garantir cuidados.
A diferença nesta questão está em que os pais se desobrigam de cuidar de seus filhos quando estes crescem,já com os animais e o ser humano essa responsabilidade é para sempre,até o fim da vida do animal.

Auxílio Adoção disse...

Liliam, parabéns pelo texto maravilhoso!
Muito educativo!
Como psicóloga, acredito que para nós, amante dos animais, é fundamental vigiar nossa condição emocional.
Para ajudar os animais é necessário, antes de tudo, tudo saúde mental.
Um grande abraço!
Raquel Monaco

SUELY disse...

Antes de mais nada, temos que ter amor por nós mesmos. Deixar nossa vida de lado, não se cuidar, confundir a nossa vida com a de nossos cães significa desequilíbrio. Pegar mais animais do que se pode cuidar e esperar que outros ajudem com as despesas, é insano. Concordo com este texto. Recebo inúmeros emails de protetores diariamente pedindo ajuda para resgatar animais que outras pessoas denunciaram. Me revolto, pois os protetores nem se dão conta do quanto essas pessoas são aproveitadoras. Só pensam em salvar o animal. Eu acredito que se cada um faz sua parte não sobra pra poucos. Nunca pedi ajuda pra ninguém, nem financeira e nem pra ficar com algum bicho que eu achei. Não ajudo pessoas que me ligam, mas oriento para que se responsabilizem pelo animal, que levem no veterinário e cuidem dele até acharem um adotante. Ninguém quer isso. Querem uma pessoa que recolha o animal para que elas se sintam confortáveis diante da situação. Não contem comigo. Se minha casa pode ter 20 cães e eu arco com tudo sozinha, outros tb podem. Não caio em conversa de gente que diz que não pode pegar. Quem quer faz.

Anisia Gabriela disse...

MEU NOME É ANISIA E FAZ 4 MESES Q PERDE MEU CACHORRO Q TINHA UM AONO E POUCO DE UMA FORMA Q ATE HOJE ESTOU SEM ENTENDER NADA.FOI ASSIM Q TD ACONTECEU EU E MEU ESPOSO VIAJAMOS PRO PIAI E DEISAMOS MEU CACHORRO COM A VIZINHA AI MINHA MUDANÇA IA VIM NUMA TRANSPORTADORA AI ELES FALARAM Q ERAM ACOSTUMADOS A TRANSPORTAR ANIMAIS E FALARM Q TRAZIAM O MEU TAMBEM E COBRAVAM 300 E NOS GARANTIRAM TD CUIDADO DO MUNDO
AI AGENTE CONFIAMOS,AI MESMO COM TD DOR DO MUNDO NÓIS MANDAMOS AI QUANDO FOI UM DIA ANTES DELES CHEGAREM RECEBI UMA MSG DE TEXTO NO TLF DISENDO PRA MIM ENTRA EM CONTATO COM UNS DOS RESPONSAVEIS PELA TRANSPORTADORA AI EU IMEDIATAMENTE LIGUEI PORQ JA FIQUEI NERVOSA,AI QUANDO EU LIGUEI SIMPLISMENTE O MOTORISTA DO CAMIÃO MIM FALOU Q MEU CACHORRO TINHA PASSADO MAU E TINHA MORRIDO ER PROTO,AI EU ESPERI ELE CHEGA PRA VER SE ERA VERDADE MESMO E O MOTORISTA MIM FALOU Q CHEGOU A LEVAR LE NO VETERINARIO MAIS Ñ MIM TROUCVE NENHUM COMPROVANTE,AI O RESPONSAVEL PELA IMPRESA MIM PERGUTOU QUANTO EU TINHA PAGO OELO CACHORRO AI EU FALEI AI ELE MIM MANDOU EU PROCURA OUTRO PRA COMPRA COMO SE ISSO FOSSE PASSA A DOR Q EU ESTAVA CINTINDO MAIS EU NAO COMPREI NADA Ñ MAIS EU QUERO UMA OPNIÃO DE TDS DO Q EU DEVO FAZER CONTRA A IMPREZA PORQ EU ESTOU SOFRENDO DE MAIS COM TD ISSO POR FAVOR ALGUEM MIM AJUDE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Lilian Rockenbach disse...

Anisia, vc deve ter feito um documento do transporte com a empresa, do transporte do cachorro. Vá na delegacia com este documento e faça um termo circunstanciado, o delegado irá te orientar.

Se não tiver o documento fica mais difícil, mas não impossível. De qualquer forma vá na delegacia